ENCONTRO DE CURA E LIBERTAÇÃO

17 DE DEZEMBRO

segunda-feira, 17 de julho de 2017

O que podemos fazer para prevenir recaídas nos problemas de ansiedade?

A ansiedade está tão presente em nosso dia a dia que não é preciso muita coisa para que de vez em quando ela transborde. Nesse momento, procuramos formas de solucionar o problema. Recorremos ao médico ou ao psicólogo e colocamos estratégias em prática… Mas depois disso, como podemos prevenir as recaídas?
Nós mesmos podemos utilizar e exercitar uma série de ferramentas que podem nos ajudar na tarefa de não deixar a ansiedade voltar. Nesse artigo, vamos falar exatamente sobre elas e sobre como você pode utilizá-las para evitar uma recaída.
“A ansiedade não pode ser evitada, mas sim reduzida. A questão no controle da ansiedade consiste em reduzi-la a níveis normais e em utilizar essa ansiedade normal como estímulo para aumentar a própria percepção, a vigilância e a vontade de viver.”
-Rollo May-


Diga qual tratamento você recebeu e lhe direi como prevenir as recaídas

A primeira coisa que é preciso levar em consideração é que a nossa efetividade na hora de prevenir as recaídas vai depender do tratamento que seguimos para controlar a ansiedade em um primeiro momento. Pode parecer que isso não é relevante, mas na verdade é o mais importante de tudo.
Assim, se tivermos optado por tomar algum tipo de psicotrópico, vai ser mais difícil prevenir as recaídas sem ajuda externa, somente por nós mesmos. Explico melhor. Com a terapia farmacológica, ingerimos um comprimido que diminui os nossos níveis de ansiedade. Mas se o comprimido não for combinado com uma intervenção psicológica, não vamos ter outras estratégias de controle da ansiedade além da alternativa de nos medicar.
No entanto, se estivermos frequentando um psicólogo de qualidade, provavelmente ele vai ter nos oferecido vários recursos de controle emocional para colocar em prática nas situações em que nosso equilíbrio está comprometido. Assim, poderemos aplicá-los sem recorrer a um medicamento. É por isso que, apesar de exigir mais esforços da nossa parte, a intervenção psicológica é mais recomendável na prevenção de recaídas.

O que podemos fazer em um primeiro momento para prevenir recaídas?

Se tivermos optado por um psicólogo adequado, que segue uma corrente cognitivo-comportamental, vamos ter adquirido, ao longo da terapia, ferramentas para administrar nossos pensamentos e nossas emoções. Mas, assim como todas as habilidades que aprendemos ao longo da nossa vida, teremos que continuar praticando se não quisermos perdê-las.
“A imaginação nunca toma posse da mente com tanta força como quando a encontra vazia e desocupada.”
-Johnson Burton-
Assim, continuar praticando alguns exercícios, mesmo que de maneira mais espaçada e frequente, vai ser o primeiro passo para prevenir recaídas. Pense, por exemplo, quando aprendemos um idioma, em como rapidamente perdemos a fluência se deixarmos de praticar, não é verdade? Pois nesse caso acontece a mesma coisa: se deixarmos de aplicar as estratégias de controle emocional, vai ser mais difícil utilizá-las quando precisarmos.
Ou seja, temos que nos esforçar para manter as mudanças conquistadas na terapia. O trabalho não termina quando a intervenção acaba e o psicólogo nos dá alta. Ele continua no nosso dia a dia. Por isso, nossa saúde emocional depende em grande parte de nós mesmos.
“A capacidade de aguentar a ansiedade é importante para a própria realização do indivíduo e para sua conquista do ambiente. A realização de qualquer pessoa só é alcançada quando se avança, apesar dos choques emocionais. Isso indica qual é o uso construtivo da ansiedade.”
-Kurt Goldstein-

Um passo mais além na prevenção de recaídas

É preciso continuar praticando, mas também sempre nos lembrar das informações recebidas na terapia com a psicoeducação. Por isso, não podemos descartar completamente o papel dos pensamentos no processo emocional. Você já sabe que todos nós temos pensamentos desajustados, por isso é preciso ficar atento para identificar, classificar e questionar tais pensamentos quando eles parecerem suspeitos.
Além disso, vai ajudar você a identificar as situações que são potencialmente geradoras de ansiedade. Dessa forma, poderemos colocar em prática as ferramentas que já adquirimos com algum esforço. Lembre-se de que você já aprendeu a solucionar problemas. Assim, você pode encarar os que aparecerem como desafios e não como ameaças que colocam em perigoelementos abstratos, como a nossa imagem.
Não se esqueça de que o sol não brilha todos os dias com a mesma força.  Explico melhor. Todos e cada um de nós temos dias ruins. De alguma forma essa condição é intrínseca à nossa natureza. O que podemos escolher é a forma com a qual vamos enfrentar os problemas ou prever que um dia que começou com o pé esquerdo vai continuar assim. De fato, muitos dias que começam aparentemente de uma forma errada, continuam assim devido à nossa própria ansiedade, a qual nos faz confundir os papéis e assume o papel de feitiçaria para que se realize o fenômeno da profecia autorrealizada.
Por fim, se você precisar voltar ao psicólogo, não tem problema. De nenhuma maneira isso significa que é um fracasso nem que você tenha perdido tudo o que conquistou até esse momento… É preferível fazer isso antes de que a ansiedade fique mais forte!

0 comentários:

Postar um comentário