MISA COM ORAÇÃO POR CURA E LIBERTAÇÃO DOS ENFERMOS. 28 DE MAIO

ABRA - TE À RESTAURAÇÃO

quarta-feira, 17 de maio de 2017

Por que a Irmã Lúcia não foi canonizada junto com Francisco e Jacinta?

13 maggio 1982: Papa Giovanni Paolo II incontra suor Lucia dos Santos, religiosa carmelitana dell'Ordine delle Carmelitane Scalze, ultima veggente rimasta in vita, testimone delle apparizioni, durante la sua visita al santuario di Nostra Signora di Fatima, in Portogallo.

Vários leitores têm feito esta pergunta. A resposta é simples.
A longamente aguardada canonização dos irmãos pastorinhos Francisco e Jacinta Marto foi realizada pelo Papa Francisco neste último dia 13 de maio, centenário da primeira aparição de Nossa Senhora de Fátima. As aparições da Virgem Santíssima aconteceram todos os meses entre maio e outubro de 1917 e foram testemunhadas pelos dois irmãozinhos e por sua prima Lúcia dos Santos.
Muitos leitores nos perguntaram ao longo destes dias:
Por que, então, Lúcia não foi canonizada com eles?

Porque São Francisco e Santa Jacinta Marto morreram ainda crianças, ele com 10 anos de idade, ela com 9. Francisco partiu para o Céu primeiro, no dia 4 de abril de 1919. Sua irmãzinha Jacinta partiu menos de um ano depois, em 20 de fevereiro de 1920.
Já Lúcia viveu até seus 97 anos de idade, falecendo em 2005. Por isso, o seu processo de beatificação é ainda muito recente e precisa passar por várias etapas.
Essas etapas já foram completadas pelo processo dos dois pastorinhos proclamados santos neste ano.

A morte de São Francisco e Santa Jacinta Marto

Os dois irmãozinhos enfrentaram os dolorosos e praticamente intratáveis efeitos da pandemia de gripe espanhola que assolou grande parte da Europa a partir de 1918. Foi uma das maiores catástrofes naturais da história da humanidade: estima-se que a pandemia tenha matado entre 50 e 100 milhões de pessoas em todo o mundo.
Francisco e Jacinta morreram oferecendo seus intensos sofrimentos a Deus.
Jacinta respondia às provações dizendo:
“Ah, quanto eu amo sofrer por amor de Nosso Senhor e Nossa Senhora! Eles amam muito aqueles que sofrem pela conversão dos pecadores”.
Francisco também declarava, conforme as lembranças de sua prima, a também vidente Irmã Lúcia:
“Sofro para consolar Nosso Senhor, e, depois de um tempo, ir para o céu”.
________
Veja também:
________
Os dois irmãozinhos foram beatificados por São João Paulo II no dia 13 de maio de 2000: haviam transcorrido nada menos que oito décadas desde a data de sua morte. E mais dezessete anos se passaram desde então até que eles fossem finalmente canonizados pelo Papa Francisco.

A morte da Irmã Lúcia

Diferentemente dos primos, Lúcia teve uma vida longa e faleceu quase 85 anos depois de Jacinta, em 13 de fevereiro de 2005, aos 97 anos de idade. Ela estava no convento carmelita de Santa Teresa, em Coimbra, Portugal, onde vivia uma vida de clausura religiosa.
A respeito da vocação da Irmã Lúcia como consagrada de clausura, recomendamos este excelente artigo escrito pelo pe. Gonçalo Portocarrero: clique para ler.
Devido ao seu falecimento relativamente recente, o processo de beatificação e canonização da Irmã Lúcia ainda tem, possivelmente, muitos anos pela frente.
E não faltarão ataques e acusações disparatadas contra ela. Também a propósito disso temos recebido comentários e dúvidas enviadas por leitores. É fato que existe há anos, no submundo da internet, uma gama de sites periféricos que promovem a teoria conspiratória de que a Irmã Lúcia seria uma “falsária acobertada pelo Vaticano”. Estas supostas “denúncias”, porém, são tão infundadas que nem sequer a grande mídia anticatólica se prestou a dar atenção a tais boatos, apesar do seu evidente potencial de sujar a Igreja. No geral, os sites que insistem nesse tipo de “trama” também costumam lançar acusações contra os Papas, sempre a partir de vieses ideológicos e, não raro, com expressões raivosas ou sarcásticas. Há uma grande diferença entre o sensacionalismo promovido por esse tipo de site e os casos objetivos e comprovados de fraudes e abusos efetivamente cometidos por membros da Igreja, que vêm sendo denunciados e punidos com rigor. É o caso de abusos financeiros, sexuais, psicológicos, bem como de falsos milagres e uma vasta gama de embustes sectários. Infelizmente, tanto esse tipo de desvio objetivo por parte de pessoas ligadas à Igreja quanto as campanhas difamatórias baseadas em boatos e mentiras fazem parte da longa trajetória de desafios que a Igreja tem enfrentado há 2.000 anos.

Canonização: um longo e criterioso processo

A Igreja católica segue critérios muito rígidos para reconhecer milagres. E acontece que o reconhecimento de milagres é o requisito habitual para se proclamar oficialmente a santidade de um fiel que partiu para o Céu sem ter sido mártir.
A respeito dos exigentes critérios seguidos pela Igreja para reconhecer um milagre, confira o seguinte e esclarecedor artigo:

via (Aleteia)

0 comentários:

Postar um comentário