ENCONTRO DE CURA E LIBERTAÇÃO

17 DE DEZEMBRO

segunda-feira, 10 de abril de 2017

Missa da Vigília Pascal na Noite Santa

Ano A - Dia 15/04/2017 - Cor: Branco
Vigília Pascal na Noite Santa
Primeira Leitura
Deus viu tudo quanto havia feito, e eis que tudo era muito bom
Leitura do Livro do Gênesis                             1,1-2,2
1 No princípio Deus criou o céu e a terra. 2 A terra estava deserta e vazia, as trevas cobriam a face do abismo e o Espírito de Deus pairava sobre as águas. 3 Deus disse: "Faça-se a luz!" E a luz se fez. 4 Deus viu que a luz era boa e separou a luz das trevas. 5 E à luz Deus chamou "dia" e às trevas, "noite". Houve uma tarde e uma manhã: primeiro dia. 6 Deus disse: "Faça-se um firmamento entre as águas, separando umas das outras". 7 E Deus fez o firmamento, e separou as águas que estavam embaixo, das que estavam em cima do firmamento. E assim se fez. 8 Ao firmamento Deus chamou "céu". Houve uma tarde e uma manhã: segundo dia. 9 Deus disse: "Juntem-se as águas que estão debaixo do céu num só lugar e apareça o solo enxuto!" E assim se fez. 10 Ao solo enxuto Deus chamou "terra" e ao ajuntamento das águas, "mar". E Deus viu que era bom. 11 Deus disse: "A terra faça brotar vegetação e plantas que dêem semente, e árvores frutíferas que dêem fruto segundo a sua espécie, que tenham nele a sua semente sobre a terra". E assim se fez. 12 E a terra produziu vegetação e plantas que trazem semente segundo a sua espécie, e árvores que dão fruto tendo nele a semente da sua espécie. E Deus viu que era bom. 13 Houve uma tarde e uma manhã: terceiro dia. 14 Deus disse: "Façam-se luzeiros no firmamento do céu, para separar o dia da noite. Que sirvam de sinais para marcar as épocas, os dias e os anos, 15 e que resplandeçam no firmamento do céu e iluminem a terra". E assim se fez. 16 Deus fez os dois grandes luzeiros: o luzeiro maior para presidir o dia, e o luzeiro menor para presidir à noite, e as estrelas. 17 Deus colocou-os no firmamento do céu para alumiar a terra, 18 para presidir ao dia e à noite e separar a luz das trevas. E Deus viu que era bom. 19 E houve uma tarde e uma manhã: quarto dia. 20Deus disse: "Fervilhem as águas de seres animados de vida e voem pássaros sobre a terra, debaixo do firmamento do céu". 21 Deus criou os grandes monstros marinhos e todos os seres vivos que nadam, em multidão, nas águas, segundo as suas espécies, e todas as aves, segundo as suas espécies. E Deus viu que era bom. 22 E Deus os abençoou, dizendo: "Sede fecundos e multiplicai-vos e enchei as águas do mar, e que as aves se multipliquem sobre a terra". 23 Houve uma tarde e uma manhã: quinto dia. 24 Deus disse: "Produza a terra seres vivos segundo as suas espécies, animais domésticos, répteis e animais selvagens, segundo as suas espécies". E assim se fez. 25 Deus fez os animais selvagens, segundo as suas espécies, os animais domésticos segundo as suas espécies e todos os répteis do solo segundo as suas espécies. E Deus viu que era bom. 26 Deus disse: "Façamos o homem à nossa imagem e segundo à nossa semelhança, para que domine sobre os peixes do mar, sobre as aves do céu, e sobre todos os répteis que rastejam sobre a terra". 27 E Deus criou o homem à sua imagem, à imagem de Deus ele o criou: homem e mulher os criou. 28 E Deus os abençoou e lhes disse: "Sede fecundos e multiplicai-vos, enchei a terra e submetei-a! Dominai sobre os peixes do mar, sobre os pássaros do céu e sobre todos os animais que se movem sobre a terra". 29 E Deus disse: "Eis que vos entrego todas as plantas que dão semente sobre a terra, e todas as árvores que produzem fruto com sua semente, para vos servirem de alimento. 30 E a todos os animais da terra, e a todas as aves do céu, e a tudo o que rasteja sobre a terra e que é animado de vida, eu dou todos os vegetais para alimento". E assim se fez. 31 E Deus viu tudo quanto havia feito, e eis que tudo era muito bom. Houve uma tarde e uma manhã: sexto dia. 2,1 E assim foram concluídos o céu e a terra com todo o seu exército. 2 No sétimo dia, Deus considerou acabada toda a obra que tinha feito; e no sétimo dia descansou de toda a obra que fizera.   Palavra do Senhor! - Graças a Deus!
---------------------------------------------------------------
Comentário
A criação de Deus

A narrativa da criação não é um tratado científico, mas um poema que contempla o universo como criatura de Deus. Foi escrito pelos sacerdotes no tempo do exílio na Babilônia (586-538 a.C) e procura salientar vários pontos. Primeiro, que existe um único Deus vivo e criador. Segundo, que a natureza não é divina, nem está povoada por outras divindades. Terceiro, que o ponto mais alto da criação é a humanidade: homem e mulher, ambos criados à imagem e semelhança de Deus. E a humanidade é chamada a dominar e a transformar o universo, participando da obra da criação. Quarto, que o ritmo da vida é trabalho e descanso: assim como Deus descansou do trabalho criador, também o homem tem direito ao dia semanal de descanso. Importante notar que a criação toda é marcada pelo selo de Deus: “era bom... muito bom”.
---------------------------------------------------------------
Segunda Leitura
Os filhos de Israel entraram pelo meio do mar a pé enxuto
Leitura do Livro do Êxodo 14,15-15,1
Naqueles dias, 15 o Senhor disse a Moisés: "Por que clamas a mim por socorro? Dize aos filhos de Israel que se ponham em marcha. 16 Quanto a ti, ergue a vara, estende o braço sobre o mar e divide-o, para que os filhos de Israel caminhem em seco pelo meio do mar. 17 De minha parte, endurecerei o coração dos egípcios, para que sigam atrás deles, e eu seja glorificado às custas do faraó, e de todo o seu exército, dos seus carros e cavaleiros. 18 E os egípcios saberão que eu sou o Senhor, quando eu for glorificado às custas do faraó, dos seus carros e cavaleiros". 19 Então, o anjo do Senhor, que caminhava à frente do acampamento dos filhos de Israel, mudou de posição e foi para trás deles; e com ele, ao mesmo tempo, a coluna de nuvem, que estava na frente, colocou-se atrás, 20 inserindo-se entre o acampamento dos egípcios e o acampamento dos filhos de Israel. Para aqueles a nuvem era tenebrosa, para estes, iluminava a noite. Assim, durante a noite inteira, uns não puderam aproximar-se dos outros. 21 Moisés estendeu a mão sobre o mar, e durante toda a noite o Senhor fez soprar sobre o mar um vento leste muito forte; e as águas se dividiram. 22 Então, os filhos de Israel entraram pelo meio do mar a pé enxuto, enquanto as águas formavam como que uma muralha à direita e à esquerda. 23 Os egípcios puseram-se a persegui-los, e todos os cavalos do faraó, carros e cavaleiros os seguiram mar adentro. 24 Ora, de madrugada, o Senhor lançou um olhar, desde a coluna de fogo e da nuvem, sobre as tropas egípcias e as pôs em pânico. 25 Bloqueou as rodas dos seus carros, de modo que só a muito custo podiam avançar. Disseram, então, os egípcios: "Fujamos de Israel! Pois o Senhor combate a favor deles, contra nós". 26 O Senhor disse a Moisés: "Estende a mão sobre o mar, para que as águas se voltem contra os egípcios, seus carros e cavaleiros". 27 Moisés estendeu a mão sobre o mar e, ao romper da manhã, o mar voltou ao seu leito normal, enquanto os egípcios, em fuga, corriam ao encontro das águas, e o Senhor os mergulhou no meio das ondas. 28 As águas voltaram e cobriram carros, cavaleiros e todo o exército do faraó, que tinha entrado no mar em perseguição de Israel. Não escapou um só. 29 Os filhos de Israel, ao contrário, tinham passado a pé enxuto pelo meio do mar, cujas águas lhes formavam uma muralha à direita e à esquerda. 30 Naquele dia, o Senhor livrou Israel da mão dos egípcios, e Israel viu os egípcios mortos nas praias do mar, 31 e a mão poderosa do Senhor agir contra eles. O povo temeu o Senhor, e teve fé no Senhor e em Moisés, seu servo. 15,1 Então, Moisés e os filhos de Israel cantaram ao Senhor este cântico... Palavra do Senhor! - Graças a Deus!
---------------------------------------------------------------
Comentário
Atravessar para a liberdade
A passagem do mar vermelho traça uma linha divisória entre o mundo da opressão e o mundo da liberdade. Todo movimento de libertação, que já tenha alcançado suas primeiras metas, corre o perigo de ser cooptado ou sufocado pelos antigos opressores. Deus age não somente para que a libertação seja realizada, mas também impede que o opressor conduza os libertados para a escravidão.
---------------------------------------------------------------
Terceira Leitura
Marcha para o esplendor do Senhor
Leitura do Livro do Profeta Baruc 3,9-15.32-4,4
9 Ouve, Israel, os preceitos da vida; presta atenção, para aprenderes a sabedoria. 10 Que se passa, Israel? Como é que te encontras em terra inimiga? 11 Envelheceste num pais estrangeiro, te contaminaste com os mortos, foste contado entre os que descem à mansão dos mortos. 12 Abandonas-te a fonte da sabedoria! 13 Se tivesses continuado no caminho de Deus, viverias em paz para sempre. 14 Aprende onde está a sabedoria, onde está a fortaleza e onde está a inteligência, e aprenderás também onde está a longevidade e a vida, onde está o brilho dos olhos e a paz. 15 Quem descobriu onde está a sabedoria? Quem penetrou em seus tesouros? 32 Aquele que tudo sabe, conhece-a, descobriu-a com sua inteligência; 33 aquele que criou a terra para sempre e a encheu de animais e quadrúpedes; aquele que manda a luz, e ela vai, chama-a de volta, e ela obedece tremendo. 34 As estrelas cintilam em seus postos de guarda e alegram-se; 35 ele chamou-as, e elas respondem: "Aqui estamos"; e alumiam com alegria o que as fez. 36 Este é o nosso Deus, e nenhum outro pode comparar-se com ele. 37 Ele revelou todo o caminho da sabedoria a Jacó, seu servo, e a Israel, seu bem-amado. 38 Depois, ela foi vista sobre a terra e habitou entre os homens. 4,1 A sabedoria é o livro dos mandamentos de Deus, é a lei, que permanece para sempre. Todos os que a seguem, têm a vida, e os que a abandonam, têm a morte. 2 Volta-te, Jacó, e abraça-a; marcha para o esplendor, à sua luz. 3 Não dês a outro a tua glória nem cedas a uma nação estranha teus privilégios. 4 Ó Israel, felizes somos nós, porque nos é dado conhecer o que agrada a Deus. Palavra do Senhor! - Graças à Deeus!
---------------------------------------------------------------
Comentário
A sabedoria entre os homens
O texto é um poema que identifica a sabedoria com a Lei. Israel deve considerar-se privilegiado por conhecer a sabedoria que leva para a vida e para a felicidade. Exilado, o povo perdeu o sentido da vida e já parece partilhar o destino dos mortos. A sabedoria é o aprendizado que vem da própria experiência. O povo deve meditar em seus gracassos e aprender que estes são fruto do abandono de Deus, fonte de sabedoria que leva à vida. A prudência é a arte de discernir o momento para a ação oportuna.
---------------------------------------------------------------
Quarta Leitura
Cristo ressuscitado dos mortos não morre mais
Leitura da Carta de São Paulo aos Romanos            6,3-11
Irmãos, será que ignorais que todos nós, batizados em Jesus Cristo, é na sua morte que fomos batizados? 4 Pelo batismo na sua morte, fomos sepultados com ele, para que, como Cristo ressuscitou dos mortos pela glória do Pai, assim também nós levemos uma vida nova. 5 Pois, se fomos de certo modo identificados a Jesus Cristo por uma morte semelhante à sua, seremos semelhantes a ele também pela ressurreição. 6 Sabemos que o nosso velho homem foi crucificado com Cristo, para que seja destruído o corpo de pecado, de maneira a não mais servirmos ao pecado. 7 Com efeito, aquele que morreu está livre do pecado. 8Se, pois, morremos com Cristo, cremos que também viveremos com ele. 9 Sabemos que Cristo ressuscitado dos mortos não morre mais; a morte já não tem poder sobre ele. 10 Pois aquele que morreu, morreu para o pecado uma vez por todas; mas aquele que vive, é para Deus que vive. 11 Assim, vós também considerai-vos mortos para o pecado e vivos para Deus, em Jesus Cristo.   Palavra do Senhor! - Graças a Deus!
---------------------------------------------------------------
Comentário
Jesus foi morto por um sistema social injusto, pecaminoso e mortal. Mas Deus o ressuscitou para sempre, condenando assim o sistema que matou Jesus. Pela fé e o batismo, o cristão participa da morte e ressurreição de Jesus. Em outras palavras, cristão é aquele que passa por uma transformação radical: rompe com o sistema pecaminoso, gerador de injustiça e morte, e ressuscita para viver vida nova, a fim de construir uma sociedade nova, que promova a justiça e a vida.
---------------------------------------------------------------
Salmo Responsorial  -  Sl 117(118),1-2.16ab-17.22-23
R. Aleluia, Aleluia, Aleluia.
1 Daí graças ao Senhor, porque ele é bom! Eterna é a sua misericórdia! 2 A casa de Israel agora o diga: “Eterna é a sua misericórdia!”   (R) 

16ab A mão direita do Senhor fez maravilhas, a mão direita do Senhor me levantou, a mão direita do Senhor fez maravilhas! 17Não morrerei, mas ao contrário, viverei para cantar as grandes obras do Senhor!  (R) 

22 A pedra que os pedreiros rejeitaram, tornou-se agora a pedra angular. 23 Pelo Senhor é que foi feito tudo isso: Que maravilhas ele fez a nossos olhos!
  (R)
---------------------------------------------------------------
Comentário
Agradeçam a Deus!
Oração coletiva de agradecimento, estruturando uma celebração litúrgica.
Dividida em grupos, a comunidade recebe a pessoa que vai agradecer e entoa o refrão, exaltando o amor de Deus. A comunidade responde, celebrando a vitória conseguida com o auxílio de Deus. A pessoa termina seu testemunho, aludindo a um perigo de morte. Depois a pessoa chega à porta do santuário, pede para entrar, e é recebida pelos sacerdotes. O coro canta a vitória realizada por Deus. A seguir forma-se a procissão até o altar, e cantam-se refrões, num diálogo alternado entre a pessoa que agradece e a comunidade. Os vv. 22-23 são citados em Mc 12,10-11 e paralelos.
---------------------------------------------------------------
Evangelho
Ele ressuscitou e vai à vossa frente para a Galiléia
Programação do Evangelho de Jesus Cristo Segundo Mateus    28,1-10
1 Depois do sábado, ao amanhecer do primeiro dia da semana, Maria Madalena e a outra Maria foram ver o sepulcro. 2 De repente, houve um grande tremor de terra: o anjo do Senhor desceu do céu e, aproximando-se, retirou a pedra e sentou-se nela. 3 Sua aparência era como um relâmpago, e suas vestes eram brancas como a neve. 4 Os guardas ficaram com tanto medo do anjo, que tremeram, e ficaram como mortos. 5 Então o anjo disse às mulheres: "Não tenhais medo! Sei que procurais Jesus, que foi crucificado. 6 Ele não está aqui! Ressuscitou, como havia dito! Vinde ver o lugar em que ele estava. 7 Ide pressa contar aos discípulos que ele ressuscitou dos mortos, e que vai à vossa frente para a Galiléia. Lá vós o vereis. É o que tenho a dizer-vos". 8 As mulheres partiram depressa do sepulcro. Estavam com medo, mas correram com grande alegria, para dar a notícia aos discípulos. 9 De repente, Jesus foi ao encontro delas, e disse: "Alegrai-vos!" As mulheres aproximaram-se, e prostraram-se diante de Jesus, abraçando seus pés. 10 Então Jesus disse a elas: "Não tenhais medo. Ide anunciar aos meus irmãos que se dirijam para a Galiléia. Lá eles me verão".  Palavra da Salvação! - Glória a Vós, Senhor!
---------------------------------------------------------------
Comentário
Jesus Ressuscitou!
A manhã desse primeiro dia da semana marca uma transformação radical na compreensão a respeito do homem e da vida. O projeto vivido por Jesus não é caminho para a morte, mas caminho aprovado por Deus, que, através da morte, leva para a vida. Doravante o encontro com Jesus se realiza no momento em que os homens se dispõem a anunciar o coração da fé cristã (Jesus morreu e ressuscitou), e a continuar em todos os tempos e lugares a atividade que Jesus desenvolveu na Galiléia. Só essa fé ativa transformará o medo da morte na alegria da vida. Mateus narra a ressurreição com estilo apocalíptico: terremoto e anjo que desce do céu, aparência de relâmpago e vestes brancas como a neve. O anjo anuncia às mulheres que Jesus, que foi crucificado, levantou-se (egerthê, traduzido por "ressuscitou") dentre os mortos e que ele vai à frente dos discípulos para a Galiléia, base da missão de Jesus. A seguir, o próprio Jesus repete o envio à Galiléia. A ressurreição é a retomada da missão. Contudo sobre os discípulos missionários da Galiléia prevaleceram os discípulos convertidos do judaísmo, em missão a partir de Jerusalém. Os discípulos em missão têm a consciência da contínua presença de Jesus entre eles.
---------------------------------------------------------------
Oração
Pai, faze-me compreender que a ressurreição de Jesus é obra do teu amor por ele e por toda a humanidade.
---------------------------------------------------------------
APROFUNDANDO NA PALAVRA
Sepultura do Senhor
Como a semente confiada à terra, Cristo "repousa" no sepulcro, à espera da ressurreição. A Igreja vela junto ao túmulo do seu Senhor, participando do seu mistério; de fato, ela também espera a ressurreição no ultimo dia, o grande "dia do Senhor".
O sábado santo é, tradicionalmente, um dia sem assembleia eucarística; o jejum da eucaristia prepara a festa da noite de Páscoa. Celebram-se, no entanto, os vários momentos da Liturgia das Horas, na qual o tema dominante é a esperança da ressurreição e a entrada do Messias, vencedor da morte, no santuário do céu. Velada nos salmos e na leitura do profeta, a ressurreição do Senhor transcende toda perspectiva de sobrevivência e de prolongamento da vida terrena, inaugurando um modo novo de existência, que as leituras do Novo Testamento põem em foco sob diferentes aspectos. Um deles é a "descida de Cristo aos infernos", isto é, à habitação dos mortos, que é recordada no símbolo da fé batismal, como um momento importante na história da nossa salvação.
Cristo, verdadeiro homem, experimentou profundamente o aniquilamento da morte, para efetuar a vitória sobre ela e tornar dela participante quem nele crê. Em Cristo, novo Adão, os justos do Antigo Testamento e todos os homens que buscaram a Deus com coração reto, encontram a plenitude daquilo que viveram na esperança. Cristo, o homem Fiel a Deus, não foi “entregue à corrupção", mas "vivificado pelo Espírito" subiu ao céu, proclamando a glória de Deus e manifestando-se Senhor de "todas as coisas", no céu, na terra e debaixo da terra".
Assim, para todo aquele que crê, a morte não é o fim da vida, mas a vitória sobre os limites da condição terrena e a participação da vida eterna de Deus. E o batismo é uma simbólica descida à morte junto com Cristo, para emergir, com ele, na liberdade dos filhos de Deus.
--------------------------------------------------------------
Via (Deus Único)

0 comentários:

Postar um comentário