MISSA DO ABRA - TE À RESTAURAÇÃO

27 DE AGOSTO

sexta-feira, 14 de outubro de 2016

Liturgia comentada do 29º Domingo do Tempo Comum 16 de Outubro 2016


Ano C – Cor: Verde

Primeira Leitura

E, enquanto Moisés conservava a mão levantada, Israel vencia

Leitura do Livro do Êxodo                        17,8-13

Naqueles dias, 8 os amalecitas vieram atacar Israel em Rafidim. 9 Moisés disse a Josué: "Escolhe alguns homens e vai combater contra os amalecitas. Amanhã estarei, de pé, no alto da colina, com a vara de Deus na mão". 10 Josué fez o que Moisés lhe tinha mandado e combateu os amalecitas. Moisés, Aarão e Ur subiram ao topo da colina. 11 E, enquanto Moisés conservava a mão levantada, Israel vencia; quando abaixava a mão, vencia Amalec. 12 Ora, as mãos de Moisés tornaram-se pesadas. Pegando então uma pedra, colocaram-na debaixo dele para que se sentasse, e Aarão e Ur, um de cada lado sustentavam as mãos de Moisés. Assim, suas mãos não se fatigaram até ao pôr do sol, 13 e Josué derrotou Amalec e sua gente a fio de espada. Palavra do Senhor! - Graças à Deus!

---------------------------------------------------------------

Comentário

Vitória contra o inimigo

Os amalecitas, inimigos proverbiais de Israel, simbolizam os obstáculos que dificultam a construção de uma sociedade justa. O povo, na sua caminhada para a liberdade e a vida, encontrará sempre esses obstáculos, que poderão ser vencidos com a ajuda de Deus (intervenção de Moisés) e a luta corajosa (Josué).

---------------------------------------------------------------

Salmo Responsorial  -  Sl 120(121),1-2.3-4.5-6.7-8     (R. 2)

R. Do Senhor é que me vem o meu socorro, do Senhor que fez o céu e fez a terra.

1 Eu levanto os meus olhos para os montes: de onde pode vir o meu socorro? 2 "Do Senhor é que me vem o meu socorro, do Senhor que fez o céu e fez a terra!" (R)

3 Ele não deixa tropeçarem os meus pés, e não dorme quem te guarda e te vigia. 4 Oh! não! ele não dorme nem cochila, aquele que é o guarda de Israel! (R)

5 O Senhor é o teu guarda, o teu vigia, é uma sombra protetora à tua direita. 6 Não vai ferir-te o sol durante o dia, nem a lua através de toda a noite. (R)

7 O Senhor te guardará de todo o mal, ele mesmo vai cuidar da tua vida! 8 Deus te guarda na partida e na chegada. Ele te guarda desde agora e para sempre! (R)

---------------------------------------------------------------

Comentário

Deus é o guarda do seu povo

Oração de confiança dos peregrinos que caminham para Jerusalém

Este salmo nos mostra que as montanhas eram lugares de refúgio em situações difíceis. Mas o verdadeiro refúgio do povo é o Deus da vida com o seu projeto. Deus é o guarda do povo: sempre desperto, ele oferece proteção, tanto para o repouso como para a atividade do seu povo.

---------------------------------------------------------------

Segunda Leitura

O Homem de Deus seja perfeito e qualificado para toda boa obra

Leitura da Segunda Carta de São Paulo a Timóteo     3,14-4,2

Caríssimo, 14 permanece firme naquilo que aprendeste e aceitaste como verdade; tu sabes de quem o aprendeste. 15 Desde a infância conheces as sagradas escrituras: elas têm o poder de te comunicar a sabedoria que conduz à salvação pela fé em Cristo Jesus. 16 Toda a escritura é inspirada por Deus e útil para ensinar, para argumentar, para corrigir e para educar na justiça, 17 a fim de que o homem de Deus seja perfeito e qualificado para toda boa obra. 4,1 Diante de Deus e de Cristo Jesus, que há de vir a julgar os vivos e os mortos, e em virtude da sua manifestação gloriosa e do seu reino, eu te peço com insistência: 2 proclama a palavra, insiste oportuna ou inoportunamente, argumenta, repreende, aconselha, com toda paciência e doutrina. Palavra do Senhor! - Graças à Deus!

---------------------------------------------------------------

Comentário

A Sagrada Escritura é o alimento da fé

Jesus anunciara perspectivas sombrias para os últimos tempos: os falsos messias se multiplicam, desviando as pessoas com doutrinas perversas (cf. Mt 24,4-5.24). Paulo relembra esse aumento do mal que antecede o fim da história (cf. 2Ts 2,3-12). Segundo a lenda judaica, Janes e Jambres foram os chefes dos magos que se opuseram a Moisés na presença do Faraó (cf. Ex 7,8ss). Quem anuncia o Evangelho deve contar com a perseguição (cf. Mt 10,22; At 13,1-14,28), permanecendo fiel à palavra de Deus contida na Sagrada Escritura: nela se encontra o alimento da fé e a força para o testemunho. A missão dos apóstolos e missionários é, em primeiro lugar, anunciar o Evangelho, a fim de que os homens deixem a idolatria e sirvam ao anúncio do Deus vivo. Paulo teve que suportar muita coisa em que Timóteo foi seu co-participante; pôde este ver como Deus o “libertou” de tudo. Singular libertação , que não suprime o sofrimento, mas torna-o frutuoso para a salvação. O mesmo acontece com todos os verdadeiros cristãos, sabedores de que, enquanto caminham rumo à salvação, a ruína espera aqueles que obstinadamente e até o fim combatem neles o Cristo. A força dos cristãos na luta pela fé é a “Palavra de Deus”, autenticamente conservada nas Sagradas Escrituras. Estas se resumem numa só grande e viva palavra: “Jesus Cristo, Filho e Verbo de Deus feito homem”. Nele não só sabemos quanto Deus nos estima e ama, mas ainda como devemos viver para também nós sermos filhos de Deus.

---------------------------------------------------------------

Aclamação ao Evangelho                Hb 4,12

R. Aleluia, Aleluia, Aleluia.

V. A Palavra de Deus é viva e eficaz, em suas ações; penetrando os sentimentos, vai ao íntimo dos corações.   (R)

---------------------------------------------------------------

Evangelho

Deus fará justiça aos seus escolhidos, que gritam por ele

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas     18,1-8

Naquele tempo, 1 Jesus contou aos discípulos uma parábola, para mostrar-lhes a necessidade de rezar sempre, e nunca desistir, dizendo: 2 "Numa cidade havia um juiz que não temia a Deus, e não respeitava homem algum. 3 Na mesma cidade havia uma viúva, que vinha à procura do juiz, pedindo: 'Faze-me justiça contra o meu adversário!' 4 Durante muito tempo, o juiz se recusou. Por fim, ele pensou: 'Eu não temo a Deus, e não respeito homem algum. 5 Mas esta viúva já me está aborrecendo. Vou fazer-lhe justiça, para que ela não venha a agredir-me!’” 6 E o Senhor acrescentou: "Escutai o que diz este juiz injusto. 7 E Deus, não fará justiça aos seus escolhidos, que dia e noite gritam por ele? Será que vai fazê-los esperar? 8 Eu vos digo que Deus lhes fará justiça bem depressa. Mas o Filho do homem, quando vier, será que ainda vai encontrar fé sobre a terra?"   Palavra da Salvação! - Glória a Vós, Senhor!

---------------------------------------------------------------

Comentário

O clamor do pobre

Insistência e perseverança só existem naqueles que estão insatisfeitos com a situação presente e, por isso, não desanimam; do contrário, jamais conseguiriam alguma coisa. Deus atende àqueles que, através da oração, testemunham o desejo e a esperança de que se faça justiça. Jesus ilustrou seu ensinamento, a respeito do dever de orar sem jamais desanimar, com a parábola da pobre viúva às voltas com um juiz iníquo. Sua doutrina tem como pano de fundo um tema frequente na literatura sapiencial do Antigo Testamento: a predisposição divina a ouvir e atender o clamor dos pobres. Pode-se falar em parcialidade de Deus em favor de seus preferidos. Ele ouve a prece de quem é tratado injustamente e jamais rejeita a súplica do órfão e da viúva, quando extravasam suas queixas. O grito dos pobres atravessa as nuvens e o Altíssimo não descansa enquanto não intervém em favor deles. Deus está sempre pronto para defender a causa do humilde e indefeso. Em suma, coloca-se a favor dos fracos e assume a causa deles. Pelo contrário, ele rejeita a oração dos injustos e prepotentes, cujas mãos estão manchadas de sangue e só são usadas para oprimir e massacrar. E, se voltam para Deus, é só para falar com soberba e arrogância. Resultado: sua oração jamais obterá o beneplácito divino! A oração do discípulo do Reino deve ser a do pobre que só conta com a proteção divina, pois, fora de Deus, não tem a quem recorrer. Sua oração será perseverante, uma vez que está sempre seguro de ser atendido, mesmo que isso possa demorar. Se um Juiz iníquo acabou sendo movido pela insistência de uma pobre viúva, quando mais o Pai misericordioso se deixará mover pelo clamor de seus filhos queridos. Lucas, em seu evangelho, dá grande destaque à oração. Nesta parábola, a viúva, que é uma das categorias de extrema exclusão na Bíblia, representa o povo oprimido. O juiz é a expressão da classe dirigente, elitista e opressora. A insistência e a perseverança da viúva vencem a indiferença e a omissão do juiz iníquo. Se o pedido insistente da viúva demoveu o juiz iníquo de sua posição omissa, com maior razão Deus fará justiça aos seus, que a ele clamam dia e noite. É o clamor do seu povo, oprimido por um poder injusto, opressor e idólatra do dinheiro. Este poder acumula as riquezas que deveriam ser destinadas à promoção da vida no mundo e as aplica nas fabulosas e sofisticadas armas de destruição. É o clamor que exprime o desejo de uma nova sociedade, com a restauração da justiça e da vida plena para todos.

---------------------------------------------------------------

Oração

Pai, faze-me pobre e simples diante de ti, de modo que minhas súplicas sejam atendidas, pois jamais deixas de atender a quem se volta para ti na humildade de coração.

---------------------------------------------------------------

APROFUNDANDO NA PALAVRA

À Escuta da Palavra

“É preciso rezar sempre sem se desencorajar”. Jesus tomou o exemplo da viúva que pede obstinadamente que a justiça lhe seja feita, para ilustrar o seu convite e uma oração perseverante, também ela obstinada. Mas poderíamos esperar esta conclusão: “Se vós insistis sem cessar junto de Deus com a vossa oração, então, como o juiz, Ele acabará por ceder e atenderá o vosso pedido”. Mas não! Jesus parece incoerente. Ele diz: “E Deus não havia de fazer justiça aos seus eleitos, que por Ele clamam dia e noite, e iria fazê-los esperar muito tempo? Eu vos digo que lhes fará justiça bem depressa”. É preciso rezar longamente, com perseverança, sem se desencorajar e então Deus escuta-nos depressa, sem tardar! Tudo isso não é muito lógico! Mas que quer Jesus dizer-nos? A palavra-chave é que “Deus faz-nos justiça”. É uma palavra terrivelmente ambígua. A justiça entre os homens é indispensável. Consiste em dar a cada um o que lhe é devido, a reconhecer os deveres e os direitos de cada um. Há leis para dizer quais são esses direitos e deveres, há juízes para aplicar essas leis. Mas a justiça humana é sempre muito limitada e é preciso, muitas vezes, uma longa paciência para que ela seja, ao menos um pouco, aplicada! Com Deus, as coisas não são assim. Deus não é um juiz mais perfeito que os juízes terrestres, a justiça de Deus não é um decalque eterno da justiça humana. Deus veio revelar-nos que Deus é Amor. Desde então, Deus é justo quando a sua ação é “ajustada” ao seu ser, é justo quando ama. O mais alto degrau da justiça é perdoar e fazer misericórdia, porque aí se manifesta em plena luz a verdadeira natureza de Deus, o seu amor totalmente gratuito. É precisamente isso que pedem os “eleitos”, aqueles que compreenderam qual é a justiça de Deus: Ó Deus, dá-me o teu amor, o teu Espírito Santo, para que Ele ajuste o meu coração e toda a minha vida ao teu amor. Perdoa os meus pecados”. Esta oração, Deus atende-a sem tardar, como fez ao bom ladrão: “Hoje, estarás comigo no Paraíso”. Esta oração, posso e devo fazê-la todos os dias, sem me cansar, sem me desencorajar, porque é todos os dias que preciso de ser ajustado ao amor de Deus.

--------------------------------------------------------------- 
Fonte http://www.deusunico.com/paginas/Liturgiadapalavra2016/Liturgia%20da%20Palavra%202016.htm

0 comentários:

Postar um comentário