ENCONTRO DE CURA E LIBERTAÇÃO

17 DE DEZEMBRO

sábado, 3 de setembro de 2016

Liturgia comentada da Quarta-Feira 07 de Setembro 2016

Ano C -  Cor: Verde
23ª Semana do Tempo Comum

Primeira Leitura
Estás ligado a uma mulher? Não procures desligar-te. Não estás ligado a nenhuma mulher? Não procures ligar-te.
Leitura da Primeira Carta de São Paulo aos Corintios 7,25-31
Irmãos, 25 a respeito das pessoas solteiras, não tenho nenhum mandamente do Senhor. Mas, como alguém que, por misericórdia de Deus, merece confiança, dou uma opinião: 26 Penso que, em razão das angústias presentes, é vantajoso não se casar, é bom cada qual estar assim. 27 Estás ligado a uma mulher? Não procures desligar-te. Não estás ligado a nenhuma mulher? Não procure ligar-te. 28 Se, porém, casares, não pecas. E, se a virgem se casar, não peca. Mas as pessoas casadas terão as tribulações da vida matrimonial; e eu gostaria de poupar-vos disso. 29 Eu digo irmãos: o tempo está abreviado.
Então, que, doravante, os que têm mulher vivam como se não tivessem mulher; 30 e os que choram, como se não chorassem, e os que estão alegres, como se não estivessem alegres, e os que fazem compras, como se não possuíssem coisa alguma; 31 e os que usam do mundo como se dele não estivessem gozando. Pois a figura deste mundo passa.   Palavra do Senhor! - Graças a Deus!
---------------------------------------------------------------
Comentário
E a virgindade?
Para a Igreja primitiva eram iminentes o fim do mundo e a manifestação final e gloriosa de Jesus. É nessa perspectiva que podemos compreender muitos conselhos referentes ao matrimônio, ao celibato e à virgindade: se o fim está próximo, para que se casar e ter filhos? Na visão de Paulo, a virgindade é vista como dom total da própria vida ao Senhor, como maneira de empenhar-se totalmente no testemunho do Evangelho. Jesus já destacava a grandeza do celibato na consagração radical a Deus e ao Reino, mas sem o impor (cf. Mt 19,10-12).
---------------------------------------------------------------
Salmo Responsorial  - Sl 44(45),11-12.14-15.16-17   (R. 11a)
R. Escutai, minha filha, olhai, ouvi isto!
11 Escutai, minha filha, olhai, ouvi isto: "Esquecei vosso povo e a casa paterna! 12 Que o Rei se encante com vossa beleza! Prestai-lhe homenagem: é vosso Senhor! (R)
14 Majestosa, a princesa real vem chegando vestida de ricos brocados de ouro. 15 Em vestes vistosas ao Rei se dirige.E as virgens amigas lhe formam cortejo. (R)
16 Entre cantos de festa e com grande alegria, ingressam, então, no palácio real". 17 Deixareis vossos pais, mas tereis muitos filhos; fareis deles os reis soberanos da terra. (R)
---------------------------------------------------------------
Comentário
Defender a verdade e a justiça
Elogio dedicado ao rei, por ocasião do casamento
Este salmo nos mostra que a função do rei é lutar pela verdade e justiça, defendendo o povo, principalmente em conflitos internacionais. Após explicar o novo estilo de vida da noiva, o salmo descreve sua entrada até o rei, para a cerimônia do casamento.
---------------------------------------------------------------
Aclamação ao Evangelho                Lc 6,23ab
R. Aleluia, Aleluia, Aleluia.
V. Meus discípulos, alegrai-vos, exultai de alegria, pois, bem grande é a recompensa, que nos céus tereis, um dia!     (R)
---------------------------------------------------------------
Evangelho
Bem-aventurados vós, os pobres. Mas, ai de vós, ricos.
Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas      6,20-26
Naquele tempo, 20 Jesus levantando os olhos para os seus discípulos, disse: “ Bem-aventurados vós, os pobres, porque vosso é o reino de Deus! 21 Bem-aventurados vós que agora tendes fome, porque sereis saciados! Bem-aventurados vós, que agora chorais, porque havereis de rir! 22 Bem-aventurados sereis, quando os homens vos odiarem, vos expulsarem, vos insultarem e amaldiçoarem o vosso nome, por causa do Filho do homem! 23 Alegrai-vos, nesse dia, e exultai, pois será grande a vossa recompensa no céu; porque era assim que os antepassados deles tratavam os profetas. 24 Mas, ai de vós, ricos, porque já tendes vossa consolação! 25 Ai de vós, que agora tendes fartura, porque passareis fome! Ai de vós, que agora rides, porque tereis luto e lágrimas! 26 Ai de vós quando todos vos elogiam! Era assim que os antepassados deles tratavam os falsos profetas".   Palavra da Salvação! - Glória a Vós, Senhor!
---------------------------------------------------------------
Comentário
Uma palavra de esperança
O povo vem de todas as partes ao encontro de Jesus, porque a ação dele faz nascer a esperança de uma sociedade nova, libertada da alienação e dos males que afligem os homens. Os versículos 20-26 proclamam o cerne de toda a atividade de Jesus: produzir uma sociedade justa e fraterna, aberta para a novidade de Deus. Para isso, é preciso libertar os pobres e famintos, os aflitos e os que são perseguidos por causa da justiça. Isso, porém, só se alcança denunciando aqueles que geram a pobreza e a opressão e depondo-os dos seus privilégios. Não é possível abençoar o pobre sem libertá-lo da pobreza. Não é possível libertar o pobre da pobreza sem denunciar o rico para libertá-lo da riqueza. As palavras de Jesus dirigem-se aos pobres que tem diante de si. Servindo-se da segunda pessoa do plural "vós", seu discurso destina-se aos que são carentes de bens materiais, vindo até mesmo a passar fome; aos que choram, talvez porque tiveram seus direitos negados e sua dignidade aviltada; aos que são vítimas de calúnia, ódio e perseguição, devendo levar uma vida difícil de privação dos bens necessários para viver dignamente. Portanto, um grupo de pessoas carentes de palavras de esperança. As bem-aventuranças visam infundir ânimo e coragem a quem se encontra nesta situação de penúria. Sobretudo os pobres devem ter a certeza de que Deus está do lado deles, e que o Reino lhes pertence. Deus mesmo haverá de saciá-los, consolá-los e ser para eles motivo de alegria. A outra face da moeda é representada pelos ricos, pelos fartos, pelos folgazões e pelos que estão preocupados com a fama, a qualquer preço. Estes também encontram-se diante de Jesus, e são o alvo das invectivas que lhe são lançadas com tanta veemência. É provável que fossem eles a causa da situação de carência dos demais, sem se darem conta. Por isso, são declarados malditos. Falta-lhes sensibilidade, pois em seus corações não há lugar para a misericórdia. Isto justifica a severidade com que serão tratados, se não se converterem urgentemente, fazendo-se atentos aos apelos dos necessitados. Tanto Lucas como Mateus, apresentam a proclamação das bem-aventuranças por Jesus, porém cada um mantêm seu estilo e sua intenção teológica próprios. Em Mateus temos oito bem-aventuranças, proclamadas na montanha, pelo que Jesus é associado a Moisés com seu decálogo. Em Lucas são quatro bem-aventuranças, na planície, isto é, no meio da grande multidão. As quatro bem-aventuranças de Lucas exprimem situações objetivas de exclusão: pobreza, fome, lágrimas e perseguições. Elas estão mais próximas das fontes da tradição. Os pobres são os destinatários das bem-aventuranças. Eles são as vítimas da sociedade exploradora e excludente. Seguem quatro "ais" dirigidos aos ricos, que são os beneficiários de tal tipo de sociedade. Uma das características do evangelho de Lucas é a denuncia da divisão sócio-econômica entre pobreza e riqueza.
---------------------------------------------------------------
Oração
Pai, faze-me solidário com os mais pobres deste mundo, e ensina-me a partilhar, de modo que chegue até eles a esperança e a alegria que Jesus veio nos trazer.
---------------------------------------------------------------
Fonte: http://www.deusunico.com/paginas/Liturgiadapalavra2016/Liturgia%20da%20Palavra%202016.htm

 

0 comentários:

Postar um comentário