MISA COM ORAÇÃO POR CURA E LIBERTAÇÃO CLAMANDO POR MILAGRES. 23 DE JULHO

ABRA - TE À RESTAURAÇÃO

terça-feira, 21 de junho de 2016

O gorila, o estupro e a sociedade.

O mundo está cada vez mais confuso.
Um garoto cai na jaula de um gorila. Mesmo com a demora acontece o que, sem equívoco deveria acontecer: matam o animal para salvar o ser humano. Porém, uma reportagem mostrou a perplexidade dos responsáveis pelo zoológico e também a reação de algumas pessoas após o fato.
A direção do zoológico disse que foi UMA DECISÃO DIFÍCIL! Entre matar um gorila e salvaguardar a integridade física ou a vida da criança foi uma decisão difícil, ficaram em dúvida do que fazer!? Meus Deus, isso é possível?

Ainda não pára por aí. Além de fazerem uma estátua do gorila e as pessoas ridiculamente colocarem flores aos seus pés, grupos começaram a promover na internet protestos contra o fato ocorrido!
O que está em jogo nesse comentário? Não é a insensibilidade com os animais, mas sim a dignidade da pessoa humana! As confusões das ideologias são tão fortes hoje que as pessoas não conseguem perceber a superioridade da vida humana sobre a de um gorila!

O estupro coletivo ocorrido no Rio de Janeiro também é um caso pra refletirmos sobre isso. A sociedade que planta a degradação da dignidade da pessoa humana se espanta com os frutos desse plantio.

Pensem comigo. Se existe uma militância reivindicando ser um direito matar uma mulher não nascida e indefesa por meio do aborto, como se pode reprimir quem a machuca e a viola? É um direito matar, mas um crime violar?
Estão dizendo que há uma cultura do estupro. Eu concordo, existe! E devemos lutar com todas as forças contra ela!
Poderíamos nos unir nessa causa!
O que acham? Vamos nos mobilizar para que se aprovem leis:
– proibindo músicas (principalmente em letras de funk)* a coisificação da mulher;
– proibindo a criação de banheiros unissex [1] (apoiados pela ideologia de gênero) que facilitam o acesso à intimidade de homens e mulheres num mesmo recinto escondido;
– proibindo na programação televisiva a exibição das mulheres como um objeto a ser adquirido;
– promovendo a extinção da ideologia de gênero no ensino escolar e promovendo uma educação que valorize a dignidade da sexualidade para crianças, adolescentes e jovens para que reconheçam o valor da vida conjugal e não a considerem como mera diversão.
É importante que a sociedade reflita sobre o que de fato é promover a mulher e a dignidade da pessoa humana. Gritos e bandeiras ideológicas não fazem o bem acontecer. O verdadeiro amor faz com que a verdade seja buscada acima da euforia caótica.
Enquanto houver dúvida se um gorila vale mais que uma criança, e se a morte de inocentes no ventre materno deve ser um direito ou um crime, não conseguiremos ser verdadeiramente e racionalmente humanos.
Por pe. Matheus Pigozzo – Arquidiocese de Niterói
_______________________________
* Nota do Blog Vida sem Dúvida:
Não é nossa pretensão taxar o funk como único vilão da história em casos de estupro, mesmo porque também vemos apologia à pornografia em outros gêneros musicais. A temática do estupro é bem mais complexo e exige medidas sérias para evitar ou minimizar suas causas. No entanto, dado o contexto do fato ocorrido durante um baile funk no Rio de Janeiro, não podemos fechar os olhos para o fato de que existe uma apologia à pornografia, à pedofilia, ao estupro e ao crime em muitas letras de funks modernos, especialmente nos chamados “proibidões”. E quem vos escreve é um ex-frequentador destes bailes.
Não estamos propondo acabar com o funk, mas repensar a sua censura, a organização e a segurança dos bailes e principalmente o seu vínculo com o crime organizado e a pornografia. Para os que desejam nos taxar como conservadores e fundamentalistas, seguem alguns trechos de letras de funks atuais para que não reste dúvida. Quem realmente deseja levantar a bandeira da defesa das mulheres, que engrosse nosso discurso:
“Mas se liga aí novinha, por favor tu não se engane. Abre as pernas e relaxa. Que esse é o Bonde do Inhame. Que esse é o Bonde do Inhame. Esse é o bonde dos cria que enfogueta as novinhas. Esse é o bonde dos cria que enfogueta as novinhas. Vai na treta do Nem** que a Kátia tá também eeemmm. Larga o inhame na Silvinha”.(Trecho da música Bonde do Inhame – MC Smith)
**ex-chefe do tráfico da Rocinha
“Mas eu vou te dar um papo pois eu não tô de caô / Mais de 20 engravidou / Não quero mais casamento / Mulherada, estou solteiro / Não casem, casar é uma m…/Sou f…, na cama te esculacho, na sala ou no quarto/ No beco ou no carro”. (uma das versões da música “Mais de 20 engravidou”, que dizem estar ligada ao estupro coletivo no RJ)
Dominando as posições por tras de frente ou de ladinho
Te pego de lado de faço rolar gata senta no colinho
Pode ser beijo abraço ou ate no springlove
As novinha nois domina as cachorra nois promove
Levante a mão vai catucando colocando o pintinho
Sentindo toda pressão vai soltando o gemidinho 
Não é propaganda enganosa o produto tu provo 
Vem com vina e fandangos
Os galã de filme porno
(Galã de filme pornô – Mc Vina e Mc Fandangos)
[1] – Conselho Nacional de Combate à Discriminação e Promoções dos Direitos de Lésbicas, Gays, Travestis e Transexuais” publicou, no dia 12 de março, no Diário Oficial da União, a resolução que estabeleceu o seguinte:“As escolas e universidades, públicas e particulares, devem garantir o uso de banheiros, vestiários e demais espaços segregados acordo com a identidade de gênero de cada sujeito”.
      – Projeto de lei para banheiro ‘unissex’ causa polêmica em Florianópolis
Fonte: Blog Shalon

0 comentários:

Postar um comentário