MISA COM ORAÇÃO POR CURA E LIBERTAÇÃO CLAMANDO POR MILAGRES. 23 DE JULHO

ABRA - TE À RESTAURAÇÃO

domingo, 3 de janeiro de 2016

Homilia do Batismo de Jesus (10.01.15)

“Filho Amado” 
Sob a força do Espírito
                        O batismo de Jesus no Jordão tem uma importância muito grande para explicar sua missão. Pedro diz na casa de Cornélio: “Vós sabeis o
que aconteceu em toda Judéia, a começar da Galiléia, depois do batismo pregado por João: como Jesus de Nazaré foi ungido por Deus com o Espírito Santo e com poder” (At 10,37-38). Jesus foi batizado por João como estavam fazendo os judeus que queriam se purificar.  João não cria uma nova comunidade. O Pai se manifesta e O unge, isto é, consagra a uma missão, como lemos também na primeira leitura que nos narra sobre o Servo que cumprirá uma missão, pois Deus colocara Nele seu Espírito (Is 42,1.2-4). O evangelista Lucas apresenta Jesus em seu evangelho, sempre movido pelo Espírito. Estamos dentro do ciclo da Manifestação do Senhor. Jesus é apresentado pelo Pai ao povo judeu para que soubesse que Ele era o Filho Amado, cheio do Espírito Santo. Ungido quer dizer consagrado. Ungido em hebraico é Messias para realizar a missão que fora anunciada pelos profetas e agora se realizava Nele. O Espírito conduzirá Jesus até à cruz. O Pai quando diz que o filho é o Dileto, o Amado, está dando uma dimensão da presença do Espírito que age em Jesus que é unir no Amor. Nisso vemos o modo de agir de Deus sempre nas Três Pessoas Divinas.  O Filho, feito Homem, tem o total amor do Pai. Este mesmo amor, o Filho tem para com todos os fragilizados, pois não “quebrará a cana rachada nem apagará o pavio que fumega” (Is 42,3). Por isso entendemos por que se fala tanto de pobre. São esses os diletos. Lembremos que o batismo de Jesus é o de João, para a purificação. O batismo de Jesus é com o Espírito e o fogo (não só lava, mas dissolve todo o mal). Jesus também batizava como João batizava. Eram os discípulos que batizavam (Jo 4,1-2) – (Não é o nosso batismo).
Filhos amados
            Filhos amados falam com o Pai. O evangelista diz que Jesus sempre que tomava uma atitude ou um caminho, estava em diálogo com o Pai, movido pelo Espírito. Os filhos amados de Deus devem sempre estar abertos ao Espírito Santo para o discernimento da vontade de Deus e a força do poder de transformação. Vemos em seu Batismo, como ficou em oração após o rito da purificação. Quando nos é dado o Espírito, nos é concedido o dom de falar com o Pai, pois nós também em Cristo somos os filhos amados que temos o direito de falar com o Pai. Ele nos ouve como ouve seu Filho. O Pai nos deu tudo o que necessitamos, como diz Pedro: “Pois que seu divino poder nos deu todas as condições necessárias para a vida e para a piedade, mediante o conhecimento Daquele que nos chamou pela sua própria glória e virtude” (2Pd 1,3). Somos por esse Pai em vista de seu Filho. Nós agradamos ao Pai na obediência de Jesus que em tudo agradou seu Pai. Por isso pedimos na oração da missa: “concedei a vossos filhos adotivos, constantemente em vosso amor”. É bom ser filho de um Pai tão bom.
Irmãos amados
              O batismo de Jesus não se destina só a Ele. Como é um dos mistérios de nossa redenção, nós participamos recebendo a adoção de filhos amados. O primeiro irmão é Jesus que “não se envergonha de nos chamar de irmãos” (Hb 2,11). Deste modo, somos irmãos e não nos envergonhamos de formar a família dos filhos de Deus como irmãos amados. Participamos da unção de Cristo, temos participação em sua missão a partir de nosso batismo. Ele é fonte dos demais sacramentos e de toda a vida cristã.
Leituras: Isaias 42,1-4.6-7;-38; Salmo 28; Atos 10,34Lucas 3,15-16,21-22
Ficha nº – Homilia do Batismo do Senhor (10.01.16)
  1. O batismo de Jesus é importante para explicar sua missão. Jesus recebe o batismo de João que era para a purificação. O Pai o unge para uma missão, vindo sobre Ele o Espírito Santo. Estamos no ciclo da Manifestação do Senhor. Jesus é manifestado aos judeus. O Pai o chama de Filho, o Dileto. Nele todos somos filhos diletos.
  1. Jesus estava sempre em contato com o Pai. Como Jesus, estamos em diálogo com o Pai no Espírito para discernir a vontade de Deus e o poder de transformação. No batismo temos o dom de falar com o Pai e viver no amor.
  1. No batismo de Jesus, como nos mistérios de sua vida, temos também participação recebendo a adoção como filhos amados para sermos irmãos amados. Participamos também de sua missão. Nosso batismo é fonte da vida cristã e de todos os sacramentos. 
              Lavando com grande energia 
              João estava batizando no rio Jordão. Esse batismo não é o mesmo que o nosso. É um batismo de purificação. Por isso João disse que o Messias iria batizar com o Espírito e o fogo. O fogo purifica, o Espírito vivifica, dá vida nova.
              O Batismo de Jesus é importante para nós.  Não imitamos seu batismo como fazem por aí, mas somos batizados Nele que é a Água Viva. E com o Espírito passamos pela purificação que tira o mal e dá vida.
              Pedro, nos Atos dos Apóstolos nos dá o resultado do batismo de Jesus que vai ser o mesmo que deverá acontecer conosco: “Ele passou entre nós fazendo o bem”. Não basta passar pelas águas é preciso fazer o bem, e bem feito. É preciso ser luz das nações, para abrir os olhos aos cegos, tirar os cativos da prisão e livrar do cárcere os que vivem nas trevas. Batismo é também compromisso com a missão de Jesus.
            O batismo deve fazer parte de nossa identidade, se não for escrito no cartão de identidade, que seja na Vida. Não basta batizar, é preciso fazer como Jesus fazia.

Refletindo a Palavra com o PE Luiz Carlos de Oliveira (Site)

0 comentários:

Postar um comentário