MISSA DO ABRA - TE À RESTAURAÇÃO

27 DE AGOSTO

domingo, 20 de dezembro de 2015

Cinco passos para sair do vermelho neste fim de ano

O 13.º salário pode ser muito útil para o começo de uma vida financeira mais saudável, mas é preciso fazer sacrifícios.

Com o 13.º salário nas mãos, é difícil resistir à tentação de tanta propaganda na tevê, nas ruas e nos shoppings, mas é preciso evitar a contração de novas dívidas se seu objetivo é sair do vermelho ou parar de gastar o salário todo a cada mês. Para orientar o consumidor que deseja uma vida financeira mais saudável, o Procon-SP preparou algumas dicas. Confira e lembre-se: para acabar com as dívidas, não existe fórmula mágica, é necessário sacrifício.
Passo 1: Organize-se

O primeiro passo para quem está endividado é saber a extensão do problema, para isso liste detalhadamente todas as dívidas (para quem deve, quanto deve, a quanto tempo), seus créditos (salário, rendimentos extras, colaboração de familiares, aplicações, etc.) e suas despesas do dia a dia (transporte, alimentação, contas de consumo e outros gastos).
Passo 2: Controle-se
Verificadas as despesas, há diversas medidas radicais, mas necessárias, que podem ser tomadas, tais como:
– Adequar o padrão de vida aos seus reais rendimentos, mesmo na compra de produtos essenciais;
– Cortar supérfluos, como tevê a cabo, assinaturas de revistas, serviços de streaming (como Netflix), etc;
– Não comprar por impulso, gaste somente o necessário;
– Pesquisar mais os preços e as formas de pagamento antes de fazer qualquer compra;
– Não usar o valor do limite do cheque especial como um segundo salário;
– Procurar atividades de lazer gratuitas em vez daquelas que exigem investimento, como passeios a parques públicos, exposições, etc;
– Sair sem cartão de crédito ou talão de cheques. Levar na carteira somente dinheiro suficiente para as despesas do dia.
Passo 3: Eduque-se
– Elabore um plano para controlar todas as despesas. Se for o caso, envolva toda a família;
– Acompanhe diariamente o seu saldo bancário e despesas pagas no cartão de crédito;
– Em todas as ações, procure sempre uma oportunidade de economizar, mesmo em hábitos diários tais como utilização de energia elétrica, telefone, uso do carro, dentre outros.
Passo 4: Ajuste-se
– Antes de tudo, saiba quanto realmente pretende disponibilizar para quitar as dívidas;
– Tente negociá-las diretamente com os credores ou através de uma conciliação nos postos avançados de conciliação extraprocessual;
– Se houver algum dinheiro aplicado, avalie a possibilidade de utilizá-lo para quitação das dívidas;
– Caso não tenha recursos para saldar as dívidas, avalie também a possibilidade de obter crédito com taxas menores, tais como antecipação da restituição do imposto de renda ou empréstimo consignado. Neste caso, fique bem atento a todos os valores, principalmente dos juros, taxas e demais encargos. Faça uma avaliação cuidadosa.
Passo 5: Regularize-se
Ao firmar um acordo de renegociação ou obter a quitação de uma dívida, mantenha tudo bem documentado e providencie a regularização da situação perante os cadastros de inadimplentes.
Cheques sem fundo
– Se a dívida envolver a emissão de cheque sem fundo procure o credor, efetue o pagamento e solicite a devolução do cheque. Caso o cheque tenha sido extraviado solicite ao credor a emissão de uma carta de anuência;
– Apresente o cheque ou a carta de anuência (com firma reconhecida e uma Certidão Negativa de Protestos) ao banco, para que ele providencie a retirada de seu nome do cadastro de emitentes de cheque sem fundos (CCF).
Título Protestado em cartório
– Dirija-se ao cartório que registrou o protesto e solicite uma certidão para saber quem protestou o título;
– Pague a dívida ao credor;
– Solicite uma declaração que comprove a quitação e autorize o cancelamento do protesto, vá ao cartório e providencie o cancelamento.
SCPC/SERASA
– Procure a instituição credora (cartão de crédito, loja, bancos, financeiras etc.) efetue o pagamento ou negocie a dívida;
– Após a quitação da dívida ou pagamento da primeira parcela do acordo, o credor deverá enviar uma notificação solicitando a exclusão do nome do cadastro de inadimplentes;
– Caso não saiba o valor da dívida ou desconheça o credor, compareça pessoalmente ao SCPC/SERASA com carteira de identidade e CPF.
Saiba que: para o cancelamento de protesto e exclusão do CCF (cadastro de emitentes de cheque sem fundos), há cobrança de tarifas.
Fonte: Sempre Familia

0 comentários:

Postar um comentário