MISA COM ORAÇÃO POR CURA E LIBERTAÇÃO CLAMANDO POR MILAGRES. 23 DE JULHO

ABRA - TE À RESTAURAÇÃO

quinta-feira, 26 de novembro de 2015

Homilia do 3º Domingo do Advento (13.12.15)

“Alegrias da Salvação”
Dimensão pascal do Natal
O terceiro domingo do Advento, como o quarto domingo da Quaresma, são domingos da alegria. São as primeiras luzes que anunciam a festividade que se aproxima como rezamos: “Dai-nos chegar às alegrias da Salvação e celebrá-las com intenso júbilo na solene liturgia” (Oração). A alegria é o primeiro sinal da grande experiência de Deus que fazemos na celebração. O convite à alegria tem sua razão: “O Senhor revogou a sentença que tinha contra nós e está no meio de nós” (Sf 3,15.17).
O Mistério Pascal de Cristo penetra todos os momentos da salvação desde a Encarnação até a Glorificação. Está presente em tudo o que fazemos de bom em todas as celebrações. Havia uma saudação antiga na Espanha que dizia: “Felizes Páscoas de Natal”. Natal e Páscoa se unem pelo fio dourado da alegria: A alegria dos pastores diante do Recém Nascido é a mesma dos discípulos diante do Ressuscitado. Ali está o Salvador que nos dá a Salvação, isto é, a libertação de todo mal e a comunhão com a Vida Divina. Rezamos no cântico de Isaías: “Bebereis com alegria no manancial da salvação” (Is 12,3). Se não nos voltarmos para o sentido de salvação de cada celebração, perdemos sua finalidade. A celebração não é uma lembrança de um acontecimento que foi muito importante. É uma presença, de modo sacramental, isto é, através de símbolos que explicam e realizam o que explicam. Por isso, a alegria da Vinda do Senhor é justificada pela fé e pelo sacramento. Não há diferença de conteúdo da celebração e do fato acontecido. Só que, na celebração, pela fé, participamos do mistério como salvação. Só ver, não dava a salvação. Pela fé entramos em comunhão com o Mistério celebrado. Por isso podemos nos alegrar e festejar.
Renovação como projeto
O aparecimento de João Batista suscitou a esperança da chegada do Messias. Lucas constata: “O povo estava na expectativa e todos se perguntavam se João não seria o Messias” (Lc 3,15). Já temos o Messias, mas as Palavras de João são um caminho para a constante renovação. Assim podemos nos preparar para bem celebrar o Mistério do Natal. Com o coração sincero perguntam: “Que devemos fazer?”. O que João responde refere-se aos problemas que se viviam no momento: exagero das riquezas, a corrupção, abuso do poder e a violência. Para tanto sugere a partilha dos bens, a exatidão nos negócios e o respeito ao povo. São as tentações permanentes do povo. João dá testemunho de saber que sua missão era preparar a vinda do Senhor. Celebrando a festa do Natal, recebemos a missão de anunciar a salvação que recebemos em Jesus. Ele é nossa alegria e nossa paz.
Preparação para as festas
A preparação para o Natal do Senhor é um processo de redenção orientado por João Batista e levado a efeito pelos múltiplos exercícios recomendados pela Palavra de Deus: Alegria, mudança de atitudes, acolhimento da obra da redenção tão fortemente apresentada pelo profeta Sofonias: “O Senhor está perto de ti, o valente guerreiro que te salva” (Sf 3,17). Nós não podemos deixar de lado o Mistério da Encarnação. Deus veio morar entre nós. E o Verbo Eterno, Filho de Deus, assumiu a natureza humana e se fez um como nós para que pudéssemos participar da Vida Divina. Precisamos meditar e ver as consequências desse gesto de Deus para conosco. Por isso a liturgia desse terceiro domingo nos fala da alegria. A sociedade quer acabar com o Natal porque não tem capacidade de viver a simplicidade de Deus que nasce numa estrebaria e tem por berço um cocho.
Leituras: Sofonias 3,14-18ª; Cânt de Isaias 12, 2-6; Filipenses 4,4-7; Lucas 3,10-18
Ficha nº – Homilia do 3º Domingo do Advento (13.12/15).
1. O terceiro domingo chama-se domingo da alegria pela proximidade do Natal. Anuncia a salvação. Natal se une à Páscoa pela Alegria Divina. O Mistério Pascal atravessa todos os acontecimentos da vida de Jesus que celebramos. Cada celebração é um momento de felicidade. A celebração é uma presença, na fé, do acontecimento. Podemos festejar.
2. O povo estava na expectativa. As palavras de João são um caminho para constante renovação. Perguntam: que devemos fazer? João responde às três categorias de pessoas: partilha dos bens, exatidão nos negócios e respeito ao povo. João sabe que veio para preparar o caminho.
3. Preparamos o Natal acolhendo a redenção através dos múltiplos exercícios recomendados pela Palavra de Deus: Alegria, mudança de atitudes, acolhimento da obra da redenção. É tempo de meditar o Mistério da Encarnação. A sociedade quer acabar de vez com o Natal. Um Deus nascendo como homem numa estrebaria, colocado num cocho, deve nos levar a adorar com alegria.
O homem que falava grosso
Dizemos que o melhor da festa é a preparação. Por isso a liturgia de hoje nos convida a nos alegrar porque o Senhor está para chegar. É um domingo chamado da alegria. É como os primeiros raios da aurora que anunciam o dia. Nesse contexto estamos diante da maravilhosa personalidade de João Batista, primo de Jesus.
Já havia tempo que não apareciam profetas. João então impressiona o povo por ser um grande profeta e por trazer uma pregação que corresponde às profecias: “O Senhor está no meio de ti, valoroso guerreiro que te salva” (Sf 3,17).
João tinha uma pregação forte e sua sinceridade atraia a todos: Ele dá respostas ao vários setores da sociedade: o povo, os homens do poder econômico, o poder militar. Ele se dirige ao povo e aos que têm o relacionamento direto com o povo.
Seus conselhos são o cuidado com as pessoas: saber partilhar, não explorar nem roubar o povo e respeitá-lo não o maltratando e tomando dinheiro pela extorsão .
João tem a humildade de saber qual é a sua missão e não faz do sucesso uma glória para si, mas endereça ao Messias que ele anuncia. Jesus o apreciava muito e Ele próprio irá receber esse batismo preparando-se para sua missão.

Refletindo a Palavra com o PE Luiz Carlos de Oliveira (Site)

0 comentários:

Postar um comentário