ENCONTRO DE CURA E LIBERTAÇÃO

17 DE DEZEMBRO

domingo, 26 de abril de 2015

Ramo e videira: 5º Domingo de Páscoa - 03 de Maio 2015

Sou um ramo viçoso ou murcho?

Que nos diz a alegoria da videira e os ramos descrita por Jesus? “Eu sou a videira verdadeira e meu Pai é o agricultor (Jo 15,1). Jesus é a videira e o Pai o agricultor. “Todo ramo que não dá fruto em mim, ele corta; e todo ramo que dá fruto, ele limpa, para que dê mais fruto ainda” (Jo 15,1-8). Somos estes ramos. Se não produzirmos os frutos de santidade que o Pai espera, podemos ser cortados. E se produzirmos? Poderemos ser podados, provados, para que produzamos ainda mais. Ou seja, os ramos devem produzir muitos frutos. Estamos produzindo? Só conseguiremos produzir se estivermos ligados a Jesus Cristo. Do contrário, seremos ramos secos. Mais um motivo para sermos cortados do liame com Cristo.

Permanecer. Há uma palavra essencial nesta alegoria: Permanecer. Permanecer em Cristo. Como realizar este desígnio de Jesus? Por meio da observância dos seus mandamentos. Este é o núcleo desta passagem evangélica.Os que vivem os preceitos do Senhor, permanecem unidos a ele. O resultado dessa permanência será a produção de bons frutos. Quem permanecer em mim e eu nele, esse dá muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer (Jo 15,5). A vida com Deus já é dificil. Sem ele fica mais ainda. Sem Cristo pouco ou nada conseguiremos.
Preceitos. Quem observa os seus mandamentos permanece em (Deus) e (Deus) nele” diz João em sua primeira carta aos cristãos (1Jo 3,24). Será que há tanta gente permanecendo em Deus, como eles próprios dizem? Possivelmente. Contudo, a julgar pelos frutos que produzem tão diferentes do que ensina a Palavra, há também muita gente blefando. Este discípulo que ora mas não leva uma vida coerente não é verdadeiro discípulo. Diz professar uma coisa com os lábios e outra com as atitudes. É um discípulo afastado do Mestre, um ramo cujo destino será o fogo. “Se alguém não permanecer em mim será lançado fora, como o ramo. Ele secará e hão de ajuntá-lo e lançá-lo ao fogo, e queimar-se-á” (Jo 15,6). Fim trágico, não? A vivência dos preceitos divinos informa qual o grau de permanência da pessoa em Deus.
Oração. Quem observa a Palavra tem sua prece ouvida. “Se permanecerdes em mim, e as minhas palavras permanecerem em vós, pedireis tudo o que quiserdes e vos será feito” (Jo 15,7). O Senhor não desampara aquele que lhe é fiel. Ainda que às vezes a pessoa caia por fraqueza, Deus compreende porque sabe do que somos feitos. Lembra o que aconteceu com Paulo? Ele era perseguidor da Palavra, nas pessoas dos cristãos. Era, mas mudou de vida. Depois, acolheu a Palavra convicta e definitivamente. “Daí por diante permaneceu com eles (os discípulos), saindo e entrando em Jerusalém, e pregando, destemidamente, o nome do Senhor” (At 9,28). Essa fidelidade posterior é que é exemplar. Quem de nós tem coragem de falar do Senhor aos outros? Poucos. Quem de nós tem destemor suficiente para pregar por atitudes, demonstrando em que videira está grudado? A oração e a prática dos preceitos do Senhor são modos de nos mantermos ligados a ele.
Somos os ramos da vida de Cristo. Permanecer nele é essencial para que não sequemos. Temos permanecido nele? Não, não estou falando de ir ao templo, de rezar. Isto é importante, mas não é tudo. Estou falando de permanência em seus mandamentos, em suas palavras. Ir ao templo é conveniente para louvar ao Senhor como seus ramos, para receber o pão da vida, para ouvir sua Palavra, para revelar que estamos unidos entre nós em nome dele. Mas precisamos também produzir frutos, para não sermos cortados definitivamente da videira. Para tanto, permanecer nele é fundamental. “Quem permanecer em mim e eu nele, esse dá muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer” (Jo 15,5).
Eu, diante desta realidade

Amor e mandamentos
24 Quem observa os seus mandamentos permanece em (Deus) e (Deus) nele. É nisto que reconhecemos que ele permanece em nós: pelo Espírito que nos deu (1Jo 3,24).

Se a observância dos mandamentos revela se Deus está presente em alguém, posso dizer que Deus está presente em mim?

Minhas palavras permanecerem
7 Se permanecerdes em mim, e as minhas palavras permanecerem em vós, pedireis tudo o que quiserdes e vos será feito (Jo 15,7).

Por que nem sempre recebo tudo o que peço?

No temor do Senhor
31 A Igreja gozava então de paz por toda a Judéia, Galiléia e Samaria. Estabelecia-se ela caminhando no temor do Senhor, e a assistência do Espírito Santo a fazia crescer em número (Atos 9,31).

Pelo meu exemplo a Igreja cresce em número?
Minha prece

Sois meu louvor em meio à grande assembléia;
Vossos pobres vão comer e saciar-se,
e os que vos procuram vos louvarão.
Sois nossa videira. Sem vós nada posso fazer.
Dai-me força, Senhor,
para viver unidos a vós e produzir frutos de santidade.
Assim seja.



Fonte: (Meritocat)

Para Curtir a nossa Página no Facebook Clique Aqui!

0 comentários:

Postar um comentário